Wesley Safadão recentemente lançou seu novo álbum, o “Safadão Amplificado”, com oito músicas inéditas.

E para começar a nova era musical, o cantor esgotou um show para 4 mil pessoas em Natal, no Rio Grande do Norte, mas recebeu muitas críticas nas redes sociais por ter marcado uma apresentação com um público tão grande em meio à pandemia de Covid-19.

Em entrevista ao UOL, o artista rebateu as críticas e reforçou que o meio do entretenimento foi o único que ainda não voltou integralmente. “Bares voltaram, shopping voltou. Tudo voltou a funcionar. E eu não acredito que as pessoas só peguem Covid depois de 20h, 22h. Só peguem nos shows”, declarou.

“A nossa classe artística, e aqui não falo só por mim, mas os grandes artistas do país, conseguem outras fontes de renda. Quem está sendo prejudicado são os artistas menores, é o cara do palco, do som, da luz, do banheiro químico, da limpeza e os produtores de evento que só vivem disso. A gente não pode ser privado, por isso levantei essa bandeira. Não quero ser o salvador da pátria, mas não estou fazendo só por mim. Eu tinha até opção de ficar quieto e não levar críticas”, complementou.

“As pessoas perguntam: ‘Achou a cura?’. E eu digo: ‘Nos shoppings acharam a cura? E nos aviões? E na praia?'”, concluiu Safadão.



Outras notícias

WhatsApp